terça-feira, 4 de agosto de 2015

Capítulo Sexto: O LIVRO DE OURO DE SAINT GERMAIN


O Livro de Ouro de Saint Germain
Capítulo Sexto 

Enfermidade “Não”

Lembrai, constantemente, à consciência externa, que quando dizeis “EU SOU”, pensando no Poder Infinito de Deus, colocais em atividade este Poder, para que cumpra com êxito a ideia que tendes na mente.

Os estudantes sinceros não devem esquecer este fato um só momento, até que a Verdade fique de tal modo arraigada que atue automaticamente. Portanto, será ridículo dizerdes “estou doente”, “estou com dificuldade de dinheiro”, quando vos parecer falhar qualquer coisa.

Digo-vos que é impossível serdes afetados por carências, se vos tiverdes mantido na ideia do Poder de Deus. Usai-o.

Quando estais resfriados, não precisais serdes lembrados de usar lenço; então por que é necessário lembrar-vos que a atividade externa tem apenas um poder que vos permite mover, e que é a Presença de Deus “EU SOU” em vós? O erro dos estudantes sinceros é que não meditam suficientemente sobre esta Verdade, para que a sua Maravilhosa Presença entre em atividade.

Cuidai, constantemente, em vosso contato com o exterior, para que não aceiteis, sem pensar, as aparências das coisas, ou temor da negatividade dos chamados “financistas”.

Deus governa vosso mundo, vossa casa, vossos negócios e isto é tudo o que a vós concerne.

Se dizeis “EU SOU A MAJESTOSA E VITORIOSA PRESENÇA” que preenche todos os cargos governamentais, vereis que abençoados sereis em fazê-lo.

Não deveis acreditar que estais deixando vossa imaginação divagar porque sentis a aproximação da Grande Presença Individualizada.

Regozijai-vos, crede nessa Grande Presença que mantém em vós tudo o que possais desejar ou usar. Vós não dependeis de coisas externas. Penetrando alegremente neste Magno Poder e Presença, que contém tudo, sereis sempre providos de tudo no momento em que sentirdes alguma necessidade.

Eu quero que sintais e aceiteis prazerosos e que todo vosso ser reconheça, que o poder de precipitação não é um mito; é real. Ao aceitardes este sentimento profundamente, tereis a precipitação de tudo o que desejardes.

Crianças têm sido castigadas por verem Seres Angélicos ou manifestarem percepção interior. São os pais de tais crianças que mereceriam ser castigados por atreverem-se a interferir no divino dom e liberdade da criança. Se os adultos acreditassem mais e aceitassem essa percepção consciente — essa Poderosa e Grande Presença, e sua real existência, da qual a maior parte da humanidade duvida — sentiriam esta Presença elevando-os e dando-lhes Sua Inteligência.

Meus Amados! Se de repente sentis que necessitais força, valor, coragem, dizei: “EU SOU, aqui surgindo e suprindo instantaneamente tudo o que necessito, instantaneamente, e não preciso esperar.”

Não deveis externar um pensamento ao mundo ou a indivíduos que não compreendam essas coisas. Continuai regozijando-vos com a Presença visível e ativa do que desejais manifestar e ver precipitado em vossa vida, para vosso uso. “Eu Sou a Presença Ativa visível disso que quero manifestar.”

O senso comum deve dizer-nos: a menos que esperemos, aceitemos e desfrutemos já aquilo que desejamos, na plena certeza de conseguir a realização completa, como fazer para alcançá-lo? O pobre insignificante ser externo pavoneia-se dizendo: “Eu Sou” muito importante para prestar atenção a esses “contos de Fadas”. Mas deixai-me que vos informe: Estes mesmos homens, que assim falam, algum dia ficarão muito contentes ao escutarem estes “contos de Fadas” e preencherão suas mentes com essas ideias para vê-las surgir.

Em cada circunstância do mundo externo dos negócios, ou em cada circunstância negativa, que pareça atingir de alguma forma o vosso mundo, imediatamente deveis tomar a firme resolução “Eu Sou a Precipitação e Presença Visível de qualquer coisa que desejo, e não há homem, circunstância ou coisa que possa”. (1)

(1) - Quando falo de precipitação, não me refiro somente através de canais invisíveis, mas de qualquer canal, já que tudo é precipitação; o criado e o não criado ainda, não há diferença, a não ser na atividade.

Quando vós reconheceis que “Eu Sou”, entrais no Grande Silêncio, onde está a maior atividade de Deus. Este reconhecimento deve trazer-vos grandes revelações, se aceitais isto com júbilo.

Em vossa experiência externa, a prática de qualquer atividade desenvolve mais e mais vossa eficácia, não é assim? Se podeis aplicar isto na atividade externa, não percebeis quanto mais importante é para a atividade interior? Quanto mais a usardes, maior poder manifestareis; sabei que podeis fazê-lo com as coisas espirituais, em maior escala e rapidez do que com coisas externas, porque, com o Espírito, o poder atua instantaneamente. Não há espera quando o “Eu Sou” age.

O fato de que a musculatura se desenvolve com o exercício vos faz compreender que, com o mesmo esforço, pelo poder interno, naturalmente produzireis maiores resultados. Os homens acreditam que devem fazer exercícios físicos para desenvolverem os músculos. Podeis desenvolver um belo e simétrico corpo com músculos fortes, sem que seja necessário um só exercício. Em todo desenvolvimento, tanto externo como interno, a primeira parte do exercício é mental. Não há senão um só poder e energia, e este vem da Presença “Eu Sou” em cada um. Portanto, o exercício de vossas faculdades interiores é necessariamente mental. Mas, digo-vos que sois Deus em ação, pois não podeis formar um só pensamento sem a Inteligência e Energia d’Ele. Podeis ver, agora, como é fácil e possível construir um corpo físico forte e simétrico, sem fazer exercícios físicos para consegui-lo. A maioria dos cientistas, médicos e professores de cultura física negarão isto; mas Eu asseguro que é somente porque não pesquisaram profundamente a respeito da energia e poder que está atuando, pois nenhuma atividade pode ter lugar, a não ser pelo uso dessa magia e poder interior.

As pessoas entram em contato com dúvidas e temores a respeito dos conhecimentos destas grandes faculdades que são livres para o uso de quem as quiser utilizar a qualquer momento.

O que acontece é que se encontram submersas como uma cortiça sob a água, a qual, sendo liberta, salta à superfície.

Asseguro-vos que é lamentável ver estudantes sinceros passarem tantos anos esforçando-se, exercitando-se e deixando de lado o uso destas faculdades, e não vendo resultado imediato, deixarem-se cair novamente em um estado inativo, até que alguma coisa volte a reanimá-los, para novamente recaírem.

O reconhecimento persistente e determinado da Presença “Eu Sou” vos levará a alcançar resultados absolutamente certos, a menos que desistais.

Eu vejo, especialmente nesta época, um considerável número de indivíduos que, com um pouquinho de incentivo e a descrição simples destas práticas, rapidamente darão um salto para a liberdade, especialmente aqueles que recebem instrução verbal junto com a radiação que acompanha tal fato.

Não é de admirar que os filhos e filhas de Deus se submetam às limitações, quando, com um esforço persistente e determinado, abririam a porta e entrariam nesta grande Câmara Interior, cheia de Luz, joias, ouro e a substância de todos os elementos do Universo?

E logo, com esta verdade plena em sua frente, estes indivíduos ainda vacilam, pela impossibilidade de acreditarem que podem dar este passo definitivo, tomar este cetro e serem livres.

Amados, novamente vos digo: cantai a grande melodia da Grande Presença Conquistadora do “Eu Sou”. Cantai em vosso coração continuamente, senti-a com toda a vossa habilidade, agarrai-vos fortemente a esta determinação.

O conhecimento e o caminho da maestria se abrirão e vos manifestarão a liberdade eterna. Simplesmente continuai recordando-vos que já transpassastes o véu.

Qualquer maestria que o indivíduo tenha adquirido sobre seus assuntos e seu mundo é, e sempre será, um retiro sagrado, um santuário interior, onde nenhum outro indivíduo indagador possa entrar. Ninguém pode conseguir a maestria, pretendendo encontrar essa maestria nos outros. Procurar, achar e aplicar a Lei do próprio Ser é o caminho seguro para a Maestria, e somente quando o indivíduo a tenha conseguido é que poderá compreender realmente o que é a verdadeira Maestria. Não há mais do que um domínio a ser procurado: é o domínio sobre sua própria personalidade.

Podeis andar ao lado de um Mestre, durante anos, sem percebê-lo, até que vossas próprias faculdades internas o revelem. Pode-se viver na mesma casa com um Mestre durante anos e não saber, até que surja uma crise e o poder real se revele.

Para um Mestre, discutir ou revelar as próprias realizações, seria dissipar suas forças, e isso não deve ser feito em tempo algum.

Se um estudante tem a sorte de uma bela experiência e logo a comenta com terceiros, geralmente há tantas dúvidas em quem o ouve, que resulta em recaírem sobre ele. E logo começa a duvidar de si mesmo. E realmente estranho o poder convincente dos argumentos de outras pessoas; o estudante que escuta estas ideias alheias deve fazer justiça a si mesmo e a seu Eu Superior, e, escutando o seu Poder Interno, seguir através da experiência Interior.

No momento em que começa a sentir dúvida, se aceitar a dúvida, continuará se precipitando violentamente, O mesmo acontece com o “Eu Sou”: quanto mais atenção aplicais sobre Ele, mais Ele se manifestará em energia. Amados meus, não vedes que quando desejais uma revelação ou inspiração, ao dizerdes “Eu Sou” pondes em movimento o Poder com todas as suas faculdades e substâncias, que terão que assumir qualquer forma em que se fixe vossa atenção?

O “Eu Sou” é a insondável mente de Deus. Ao procurar compreensão, o estudante comum está apenas contatando a memória daquilo que foi, em lugar de ir ao Coração de Deus e extrair aquilo que ainda será. Os discípulos às vezes não compreendem que existiram muitas civilizações com imensas realizações totalmente desconhecidas hoje em dia. Atlântida, Lemúria e a Terra de Mu são só fragmentos de grandes civilizações que já existiram.

Para conseguir fazer coisas incomuns, os estudantes devem tomar a seguinte decisão: “Eu Sou o Coração de Deus e agora crio ideias e realizações que jamais foram criadas anteriormente”.

Considerai que somos aquilo que desejamos ver concretizado. A Presença “EU SOU” é o Coração de Deus. Entramos imediatamente no Grande Silêncio no momento em que pronunciamos “EU SOU”, e se credes que sois “Eu Sou”, o que seja que declareis, fica instantaneamente manifestado. Crer é ter fé no que acreditais ser a verdade: existe, pois, um entrelaçamento entre a crença e a fé. No princípio há a crença, que, se for mantida, se converterá em fé. Se não acreditais que alguma coisa é verdade, não podereis trazê-la à manifestação. Se não podeis crer em vossas palavras quando pronunciais “Eu Sou tal coisa”, como poderá ela agir em vós? O velho ditado “Não há nada bom ou mau, o pensamento é que faz as coisas parecerem boas ou más” é uma absoluta verdade.

Sabendo que a Energia de Deus penetra em vós absolutamente Pura e Perfeita, tendes que compreender ser o homem que requalifica essa Energia, impondo-lhe a própria impureza.

Esta energia entra continuamente no homem, no pulsar de seu coração, e este tem que dar-lhe uma qualidade e projetá-la para fora, pois este é seu privilégio como Criador à Imagem e Semelhança do Pai.

A consciência individual, sendo projetada, cria ao redor do ser um ambiente que recebe vibrações externas de amor, bondade, tristeza, dor etc. e as sente como suas: se são boas, nada acontece de mal; porém, se negativas, devem ser afastadas com a ordem de que se dissolvam para não continuarem se expandindo e contagiando a atmosfera.

Cada pessoa tem cor e som próprios, e cada atividade tem, pois, a cor e o arpejo como uma frase musical. Se mal qualificado, o som é desafinado e a cor, suja. Cada pessoa que emite uma criação imperfeita, feia, a mesma volta para ser requalificada. Todo o estudante deve, pois, assumir a responsabilidade por sua atividade.

Não deveis considerar o elemento tempo, quando afirmardes algo que desejais ver manifestado. Realizai com alegria, mantendo-vos firmes, até que se manifeste vosso desejo. Se mantiverdes constantemente contato com o “Eu Sou” enquanto estiverdes em atividade, entrareis na Plenitude e Perfeição de tudo o que já está preparado para vosso uso. Todo resultado permanente deve ser consequência do esforço consciente de cada indivíduo.

O que é mágoa? É sintonizar-vos com o imperfeito. Não vos deixeis jamais invadir pela mágoa, pois é como deixar-vos arrastar para as areias movediças. Quando tendes asas com as quais vos elevais às alturas acima de toda coisa destrutiva, deveis sublimar ao mesmo tempo o vestígio que quer produzir esta mágoa.

Não julgueis, mantende-vos firmes na Presença “Eu Sou” e tudo manifestará Perfeição.

Para toda condição imperfeita que contatais, especialmente a velhice, dizei: “Eu Sou a Perfeição neste ser que tem aparência de velhice”.

Assim estais pondo em Ação o Deus dentro do indivíduo, já que ele também diz “Eu Sou” na maioria das vezes, negativamente. Neste caso, estareis impulsionando-o a usar “EU SOU” construtivamente.

Não importa o que ouvirdes dizer ao vosso redor, mantende-vos firmes, não vos deixeis afetar, pois estais manifestando Perfeição, e deveis fazê-lo conscientemente. Se não estiverdes atento, deixareis entrar expressões que vos acompanharão por anos, caso não as anulardes. Quando, conscientemente, estiverdes usando a Grande Lei reconhecereis que o Poder Ativo do Pensamento de Deus conhece seu rumo, vai e atua.

Conscientemente dizei ao vosso “Eu Sou” que faça o que for necessário: Dizei: “Eu Sou a inteligência que qualifica esta situação”. Isto, logicamente, se vos encontrardes sem saber o que fazer em dado momento. O que importa é que volteis a dirigir vossa mente ao “Eu Sou” que vos guia e vos mantém.

Eu tinha um discípulo que qualificou de tal maneira seu círculo eletrônico com o poder de curar que o chamavam “sombra curadora”. No momento em que alguém fazia contato com seu círculo eletrônico era curado.

Por que se individualizou Deus? Para ter algo que amar. Por que foram divididos os raios? Para expressar Amor.

O Amor é o Princípio Ativo de Deus. Quando amais, envolveis o objeto do vosso Amor nesse Manto de Deus, nessa Presença Radiante. Jamais critiqueis.

Sempre que vos pareça haver uma errônea atividade sexual, procurai compreender e elevar a consciência da pessoa para um ideal, a fim de controlar o pensamento, de modo que a atividade sexual possa ser submetida ao autocontrole.

O uso correto e puro do sexo na expressão do Amor para a criação de uma forma deve ser de tal modo que a alma a nascer possa ter um caráter e temperamento harmonioso e amoroso. O pensamento e sentimento dos pais são a atividade modeladora do princípio de vida no ser que nasce, que é Amor.

A diferença entre a compaixão e mágoa é que na compaixão se invoca a Presença “Eu Sou” para que produza a perfeição; a magoa é a energia de imperfeição intensificada que se manifesta.

Para controlar um animal deveis usar “eu estou aqui, Eu estou lá, ordeno silêncio” ou podeis olhar nos olhos e ordenar que o Amor de Deus o controle.


Fim do capítulo 6

Postar um comentário