A Grande Invocação


O que é A Grande Invocação?

A Grande Invocação é uma prece, uma oração, um mantra, uma invocação, depende de como é utilizada. 

A beleza e a força desta Invocação repousam em sua simplicidade e na expressão de certas verdades centrais, as quais todos os homens, inata e normalmente, aceitam: 



  • a verdade da existência de uma inteligência básica a Quem vagamente chamamos de Deus;
  • a verdade de que por trás de toda aparência exterior, o poder motivador do universo é o Amor;
  • a verdade de que uma grande Individualidade, chamada Cristo pelos cristãos, veio à terra e encarnou aquele amor de modo que o pudéssemos entender;
  • a verdade de que tanto o amor como a inteligência são efeitos do que é chamado a Vontade de Deus;
  • finalmente, a verdade auto evidente de que somente através da própria humanidade é possível que o Plano se cumpra. 

Toda esta Invocação se refere ao iminente, influente e revelador reservatório de energia, causa imediata de todos os acontecimentos na Terra que indicam o surgimento de algo novo e melhor; esses acontecimentos demonstram o avanço da consciência em direção a uma luz maior.

O apelo invocativo habitual tem sido até agora egoísta em sua natureza e temporário em sua formulação. 

Os homens têm orado para si próprios; têm invocado a ajuda divina para os que amam; têm dado uma interpretação material às suas necessidades básicas. 

Esta invocação é uma oração mundial; ela não tem qualquer apelo pessoal, nem anseio invocativo momentâneo; expressa a necessidade da humanidade e supera todas as dificuldades, dúvidas e questionamentos, chegando diretamente à Mente e ao Coração D'Aquele em Quem vivemos, nos movemos e temos o nosso ser; Aquele Que permanecerá conosco até o final dos tempos e "até que o último cansado peregrino tenha encontrado o caminho de volta para casa".

Se for amplamente divulgada esta Grande Invocação, poderá ser para a primeira religião mundial o que o Pai Nosso foi para a cristandade e o que o Salmo 23 foi para o judaísmo espiritual. 

Há três tipos de aproximação a esta grande prece ou invocação: 

1.    Do público em geral.
2.    Dos esoteristas ou aspirantes e dos discípulos do mundo. 
3.    Dos membros da Hierarquia.

Primeiro, o público em geral a considerará como prece ao Deus Transcendente, ainda que não o reconheça como imanente em Sua criação, e a elevará nas asas da esperança: esperança de luz, de amor e de paz, que todos desejam incessantemente. 

Também será considerada como prece para iluminar os governantes e dirigentes de todos os grupos que controlam os assuntos mundiais; como rogo para que flua amor e compreensão entre os homens e que vivam mutuamente em paz; como demanda para cumprir a vontade de Deus, sobre a qual nada podemos saber e a consideramos tão inescrutável e todo-inclusivo que sua reação normal é esperar e crer; como prece para fortalecer o sentido de responsabilidade humana, a fim de que os reconhecidos males atuais – que tanto angustiam e confundem a humanidade – possam ser eliminados e refreada alguma indefinida fonte do mal; finalmente, será considerada como oração para restabelecer uma condição primordial, também indefinida, de beatífica felicidade e desaparecimento de todo sofrimento e dor na Terra. 

Tudo isto é bom e útil para os povos e é só o que se pode efetuar de forma imediata.

Segundo, os esoteristas, os aspirantes e os que estão espiritualmente orientados conseguirão uma abordagem mais profunda e abrangente. Reconhecerão o mundo das causas e Aqueles que se encontram subjetivamente por trás dos assuntos mundiais, os Dirigentes espirituais da nossa vida. 

Eles estão preparados para alentar e indicar, aos que possuem verdadeira visão, não só a razão dos acontecimentos suscitados nos distintos setores da vida humana, como também revelar o que permitirá à humanidade passar da escuridão para a luz. 

Se adotarmos esta atitude fundamental, será evidente a necessidade de difundir amplamente os fatos subjacentes, iniciando-se uma era de divulgação espiritual idealizada pelos discípulos e implementada pelos esoteristas.

Esta era começou em 1875 quando foi proclamada a realidade da existência dos Mestres de Sabedoria, prosperando apesar do escárnio, da negação e das errôneas interpretações da natureza substancial do que pode ser corroborado e a resposta intuitiva dos estudantes esotéricos e de muitos intelectuais de todo o mundo.

Um novo tipo de místico está sendo reconhecido; difere dos místicos do passado porque se interessa de forma prática pelos acontecimentos mundiais e não apenas pelas questões religiosas e eclesiásticas. 

Caracteriza-se pela falta de enfoque no desenvolvimento pessoal, por sua capacidade de ver o Deus Imanente em todas as crenças, não só em sua própria e específica crença religiosa, e também pela capacidade de viver a vida à luz da divina Presença. 

Todos os místicos puderam fazê-lo em maior ou menor grau, mas o místico moderno é capaz de indicar aos demais, com toda a clareza, as técnicas a seguir no Caminho. Combina mente e coração, inteligência e sentimento, mais uma percepção intuitiva de que carecia até agora. Não só a paz de sua própria alma, mas também a clara luz da Hierarquia espiritual iluminam agora o caminho do místico moderno, e isto irá se expandir.

Terceiro, ambos os grupos (o público em geral e os aspirantes mundiais em seus diversos graus) têm entre eles os que se destacam do comum, porque possuem visão e compreensão mais profundas. Ocupam a “terra de ninguém”, por um lado entre as massas e os esoteristas e, por outro, entre os esoteristas e os Membros da Hierarquia. Não esquecer de que Eles também empregam A Grande Invocação e que não passa um dia sem que o próprio Cristo a entoe.

O emprego desta Invocação ou prece, mais a expectativa pela vinda do Cristo oferecem hoje a máxima esperança para a humanidade. Egrégios Filhos de Deus sempre vieram em resposta à demanda da humanidade e sempre virão e Aquele a quem todos os homens esperam, está a caminho.


(Texto adaptado do folheto: "A Grande Invocação - Uso e significado")

Texto e imagem enviados por Nucleo Aquariano
nucleoaquariano@terra.com.br 

Fonte: De Coração à Coração – Stela LeCocq
Postar um comentário