sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Momento Espírita: CONSTRUÇÃO DO TERCEIRO MILÊNIO


Os pessimistas dizem que o mundo não tem jeito, que só se pode esperar coisas piores para o futuro.

Os saudosistas afirmam que hoje não há respeito, nem preservação dos verdadeiros valores. Enfim, tudo se encontra em declínio.

Os otimistas vêem o que ocorre, as dificuldades, os desacertos, as discrepâncias sociais e assumem uma postura de quem deseja colaborar para mudar a face do mundo.

São os que saem a campo, fazendo o que possam.

Uns vão ao encontro dos enfermos para lhes proporcionar alívio. Outros resolvem amenizar o frio e a fome do seu próximo.

Outros elegem o caminho mais árduo. Investem na educação das novas gerações.

Sem medir esforços, como professores contratados ou como educadores voluntários, vão acender luzes nos cérebros e semear sensibilidade nos corações.

Numa dessas manhãs, em que nos decidimos conhecer benemérito trabalho junto à infância carente, comparecemos à veneranda instituição que, há sessenta e três anos, acende archotes de saber nas ruelas da ignorância.

A classe era de meninos de cinco a seis anos. Falava-se a respeito das profissões: a dignidade do labor de cada dia, o enobrecimento da criatura através do trabalho.

Desejando estabelecer um diálogo com os garotos, depois de alguns minutos de explanação, a professora passou a indagar a respeito da profissão que cada um desejaria seguir.

Eu quero ser ladrão! – Disse um menino, convictamente.

Eu quero ser assassino, como meu pai.

Chocamo-nos com as respostas. Não a experiente mestra que, sem demonstrar enfado ou surpresa, a todos ouviu, aduzindo uma palavra aqui, outra ali.

E agora? – Pensamos. Verificamos que aqueles meninos, apesar de tudo que recebiam, ali, em termos de valores individuais, tinham suas próprias e precisas ideias.

Contudo, logo mais, nos dirigimos a uma outra ala da instituição. Duas casas de bonecas estavam montadas.

Casas que são para meninos e meninas. Casas com mesas, cadeiras, armários, com muitas bonecas, carrinhos, bolas, brinquedos de montar.

E vimos a continuidade das mensagens do bem. Atendentes ensinando a meninos e meninas tomarem das bonecas e as acarinharem, abraçarem.

Vimos a criançada com os brinquedos de montar, incentivados a criar bonecos, móveis, utensílios, carros... em vez de revólveres, tanques de guerra e apetrechos agressivos.

Vimos meninos com bonecas ao colo, brincando de pai, num conceito diverso do que vivem, muitos deles, em seus próprios lares.

Vimos meninas brincando de preparar o almoço e servir aos colegas e às bonecas.

Vimos tanto amor, tanto cuidado, tanta dedicação. A resposta pacífica a um mundo violento. O ensinar, brincando, àqueles pequeninos, que o mundo não é somente o mal, que o amor pode tudo transformar.

E eles aprendem porque abraçam seus professores e se deixam abraçar, longamente, na chegada e na saída da instituição.

Sorriem aos visitantes, espontaneamente vão ao seu encontro e abraçam.

Vimos ali o mundo novo. Mundo que está sendo construído a pouco e pouco, naquelas mentes infantis que levarão a mensagem para onde quer que se encaminhem, na vida.

Tornar-se-ão homens de bem? Só o futuro dirá. Mas a boa semeadura está sendo realizada, dia após dia, semana após semana.

Construção do Terceiro Milênio...

Redação do Momento Espírita, com relato de observações
colhidas em visita à Mansão do Caminho, em Salvador,
Bahia, no dia 8 de setembro de 2010.
Em 4.1.2017.
Fonte: Momento Espírita



Postar um comentário