quinta-feira, 18 de junho de 2015

D. Maria Padilha: CURANDO OS SENTIMENTOS


Pensamento bom é como tesoura afiadaque corta o pano e nos dá a roupa que veste o corpo. Pensamentos sadios nos ajudam a atravessar as dificuldades, ensinando a construir coisas boas em meio a obstáculos.

Porém, mais forte do que ter bons pensamentos é alimentar, dentro de si, um sentimento de amor à vida, de amor a si mesmo e aos outros.

Os pensamentos habitam a casa mental.

Os sentimentos brotam do coração.

A mente viaja a grandes distâncias, desenhando planos e desejos.

Mas os sentimentos contam sobre aquilo em que, de verdade, a gente acredita. E esse acreditar é que serve de base para a criação da nossa realidade.

O coração pode mais do que a mente porque é a Casa do Amor.

Tanto isso é verdade, que os estudiosos do assunto explicam que o campo eletromagnético do coração é muito superior ao mental (o campo elétrico do coração é cerca de 100 mil vezes superior ao gerado pelo cérebro; enquanto o seu campo magnético é cerca de 5 mil vezes mais poderoso que o do cérebro).

Então, onde a mente estaciona, o coração sublima e eleva.

Quem acredita no Amor planta sementes de Prosperidade espiritual e material.

Quem tem bons sentimentos realiza com mais facilidade os seus sonhos.

Não adianta pensar positivo se, por dentro, a pessoa não acredita que merece ser feliz, que merece um amor, que merece ter saúde, que merece uma vida farta. Porque o coração dela vai irradiar um campo eletromagnético muito superior ao da mente, neutralizando o efeito dos seus pensamentos.

Algumas pessoas reclamam que pensam positivo, que repetem frases positivas, mas não alcançam seus objetivos. Se a gente for investigar, vai ver que as crenças e os sentimentos delas são negativos e, por isso, acabam interferindo na materialização daquilo que a mente delas insistia em afirmar. Então, é como se elas rezassem da boca pra fora, como se diz. Quero dizer, sem fé, sem convicção.

Pra curar os nossos sentimentos, a gente precisa se lembrar de uma só coisa: de onde viemos?

E a resposta não é difícil: nós viemos do Pai Maior, viemos da Fonte do Amor Maior.

Portanto, nós somos filhos e herdeiros desse Amor.

E esse Amor nos convida a amar a própria vida, a acreditar nos sonhos que o nosso coração nos aponta, a acreditar que somos capazes e merecedores de alcançar a felicidade.

Essa crença vai gerar os sentimentos mais sadios e saudáveis que se possa imaginar.

Vai gerar um sentimento de paz e de harmonia dentro da gente. Um sentimento de auto aceitação, de auto aprovação.

Então, a gente percebe que está tudo certo, e que cada um tem um jeito de fazer as coisas, de aprender e de evoluir.

A gente aprende a se amar e se torna capaz de amar e de ser amado.

A gente se pacifica e se torna capaz de pacificar.

A gente se descobre e se torna capaz de encontrar alguém que nos descubra, e que nos aceite e nos ame.

Assim, a força eletromagnética do nosso centro cardíaco se torna cada vez mais apurada. E vai curando todos os nossos outros centros de força, todas as nossas capacidades e habilidades.

É por isso que o nosso centro cardíaco (o chacra do coração) está no meio. É pra harmonizar as energias dos outros centros de força que nós temos.

O caminho do equilíbrio, pra se ter mais felicidade, está no coração. A cura está no coração.

Cuide do seu coração com muito carinho e atenção.

Quando se sentir triste, pare um instante e lembre: todos nós somos filhos do Amor Maior, que apenas AMA, e nunca condena; que projeta apenas Paz e Prosperidade, e nunca impõe castigos; que irradia apenas Luz e Felicidade, e nunca limita.

Cuide do seu coração como de uma flor rara. Pois ele guarda a sua Essência Divina, a sua Semente Divina de Amor e Perfeição.

Faça brotar a sua Semente: creia no Amor que lhe deu vida.

E dê vida aos seus amores: creia, e faça acontecer aquilo que o seu coração tanto sonha. E seja muito feliz!

Axé!

(Dona Maria Padilha, 19/5/2014.)


Fonte: Instituto Cultural Sete Porteiras
http://www.seteporteiras.org.br/


Postar um comentário